facebook  googleplus  twitter  

Iogurtes Sobremesas

As primeiras referências do iogurte vêm dos tempos bíblicos, com a referência do leite fermentado. Já nessa altura, era considerado mais são e mais fácil de digerir do que o leite normal.

O célebre médico grego do século II a.C., Galeno descreveu as virtudes deste alimento, realçando a sua maior facilidade na digestão e o seu efeito benéfico e purificador no excesso de bílis e nos problemas de estômago. 

Em Damasco, no século VII, surgiu um livro de medicina intitulado "Grande explicação do Poder dos Elementos e da Medicina". Nesta obra, sucessivamente complementada e actualizada por diversos médicos eruditos gregos, árabes e hindus, recomendava-se unanimemente o consumo de iogurte como calmante, refrescante e regulador intestinal.

Outro médico da antiguidade, Dioscórides, recomendou o iogurte como medicamento para tratar o fígado, o sangue, a tuberculose, como purificador geral. O leite fermentado que deu origem ao actual iogurte teve origem nas regiões balcânicas e da Turquia Asiática. Algumas fontes históricas relatam que foram os Búlgaros, nómadas da Ásia, que trouxeram o iogurte para a Europa, na segunda metade do século VII.

Não foram apenas estas virtudes preventivas e curativas que levaram à apreciação do iogurte. Os Romanos, por exemplo, apreciavam o iogurte por este ser um alimento delicado e nutritivo, sendo um prazer para o paladar. Chegavam mesmo a improvisar algumas receitas à base de leite fermentado com mel, farinhas e frutos.
Sem dúvida que a popularidade do iogurte se deve aos estudos que, no início do século XX, foram realizados pelo biólogo russo Ilha Metchnikoff. Atraído pela longevidade que os habitantes da Bulgária e Turquia alcançavam, partiu da hipótese que este facto poderia derivar do consumo de iogurte.

Após ter analisado a dieta dos búlgaros, o biólogo russo descobriu que o iogurte era um dos seus componentes básicos, juntamente com o consumo de grandes quantidades de produtos hortícolas de cultivo próprio. Assim, foi atribuída a causa desta longevidade ao iogurte, que continha bactérias capazes de converter o açúcar do leite (a lactose), em ácido láctico. 

Prosseguindo as suas investigações, Metchnikoff isolou o bacilo e dedicou todos os seus esforços a estudar as propriedades deste microorganismo, que chamou de Bacillus Bulgaricus, mais tarde denominado Lactobacillus Bulgaricus. Após numerosos estudos, pode confirmar cientificamente, o grande valor dietético e terapêutico dos leites fermentados e, em particular, do iogurte.

Os consumidores têm vindo a incluir na sua dieta, o iogurte, como uma forma deliciosa, prática e fácil de consumir um produto reconhecido e valorizado pelos nutricionistas pelas qualidades organolépticas lhe são associadas.